errar cada vez melhor

Atualizado: 20 de Nov de 2020



Na mesma semana, dei por mim a dizer a duas mães que acompanho: «o importante não é “não errar”, o importante é errar cada vez melhor».


Ser um pai ou uma mãe consciente, não é ser um pai ou uma mãe perfeitos. Ter um Divórcio Consciente, não é fazer tudo certo, não é ter um comportamento irrepreensível.

Errar melhor é fazer erros novos: não para diversificar as falhas e fazer uma produção criativa de disparates de que nos arrependemos, mas sim errar porque estamos a querer fazer diferente do que temos feito, porque resolvemos aceitar um novo desafio ou questionar os preceitos instituídos; porque resolvemos criar a nossa vida em vez de reproduzir a vida que esperam de nós.


Errar melhor é aceitar o erro cometido e assumir a responsabilidade. É percebe-lo mais depressa; é tentar corrigi-lo rapidamente e com menos danos possíveis. É reparar a dor causada. É perdoarmo-nos e pedir desculpa a quem a devemos. Errar melhor é errar com compaixão por nós próprios e com tolerância à reacção dos outros.


Errar melhor é comprometermo-nos, perante o erro, a não o repetir.


Errar melhor é não ter medo de o fazer; é arriscar errar para poder mudar.


Errar melhor é deixar de acreditar que é possível não o fazer.


O medo de errar paralisa.

O medo de assumir o erro humilha ou culpabiliza.

O medo de (se quer) olhar para o erro que cometemos, torna-nos arrogantes.


O antídoto para estes medos?

Assume que és irremediavelmente humano.

Aceita que correr o risco de cometer erros é a única forma de aprender.

Escolhe errar cada vez melhor.


39 visualizações

Posts recentes

Ver tudo