sapos e príncipes


«...passamos a vida a ouvir histórias de princesas que beijam sapos que se transformam em príncipes mas na realidade beijamos príncipes que se transformam em sapos.» disse num tom leve e brincalhão.


Gostei do jogo de palavras que condensava numa frase a minha desilusão com as relações amorosas.

Olhou para mim assertiva.

Não correspondeu ao meu sorriso e numa sábia convicção respondeu-me:

«não somos príncipes, nem princesas; não beijes sapos, nem esperes por príncipes. seria bem melhor que as histórias contassem sobre homens e mulheres que procuram conhecer-se e serem felizes, sem procurar transformar ninguém...»


Eu só queria um levantar de ombros conformado, tipo: "yep!" e a confirmação de que não valia a pena esperar demasiado das relações, nem levar demasiado a sério as desilusões amorosas.

Recebi uma lição condensada sobre expectativas e crenças limitadoras.

21 visualizações

Posts recentes

Ver tudo